"Acreditando na magia que existe na educação! Buscando ser a mudança que quero ver no mundo"!
CONTATOS: sunamitamagalialbuquerque@hotmail.com /sunamitanativaoliveira@gmail.com

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

AO MESTRE, COM CARINHO

PERMITA-ME UM COMENTÁRIO, QUERIDO AMIGO
PROFº RICARDO VIEIRA


Acabo de ler em seu blog, o qual acompanho com muito carinho, um texto que me chamou à atenção, mediante reportagem com nomes de alguns "intelectuais" que apoiam o candidato do PSDB à presidência, do qual destaco alguns pontos:


" ... Para mim, intelectual é aquele que produz, que provoca e que dissemina o pensamento. Nas minhas leituras, descobri que existem, no Brasil, em especial, dois tipos de intelectuais: “orgânico” e o “tradicional. No original, o orgânico é quem, “em sintonia com a emergência de uma classe social determinante no modo de produção econômico, procura dar coesão e consciência a essa classe, também nos planos político e social”. E o tradicional é “aquele que se conserva relativamente autônomo”.

Vi muitos colegas, ditos “intelectuais”, vibrarem com uma miséria de uma nota 7.1 na cadeira de Estatística. Meu Deus!.. esses caras eram chamados de intelectos porque possuíam seu próprio carro, usavam roupa de grife, fumavam e bebiam todas as noites com as moças mais bonitas, costumavam citar Chico Buarque (que está com Dilma), Cantarolar uma frase mais rebelde da Legião Urbana (que não apoiaria Dilma, jamais) ou simplesmente ovacionar a presença de um professor mais pop da turma, e mesmo assim se contentavam com a média do curso.

"Bom, pelo menos eles conquistaram médias. Outros, sequer concluíram seu curso superior e arrotam conhecimento científico..."

(http://www.professorricardovieira.blogspot.com)



Sem polemizar e respeitando algo que defendemos até a morte ( DEMOCRACIA/LIBERDADE DE EXPRESSÃO E OPINIÃO), concluí que nestes termos, de fato estou fazendo a melhor escolha, me espelhando em seres humanos que são atuantes e inconformados com a miséria, que sonham e acreditam tal qual a mim na plenitude da igualdade de direitos (e isso não é utopia!), que querem continuar vendo os antes menos favorecidos, agora de cabeça erguida, com as conquistas obtidas neste tão perseguido e deturpado governo, que continua incomodando a elite brasileira, que hoje deixa de ter mão-de-obra barata advinda do nordeste em construções civis de São Paulo, por exemplo, porque hoje o nordeste é um dos maiores "produtores" de intelectuais acadêmicos, que podem vislumbrar uma vida melhor. Se isso não é relevante, pergunto-lhe: por que o nobre colega continua exercendo a função de professor? Não seria pelo mesmo inconformismo que me move, de possibilitar o vislumbramento de um futuro, com perspectivas palpáveis para todos os que almejam e buscam por isso? Não me leva a mal. A discussão é a mola para ampliação dos saberes! É isso que fazemos! Questionamos, provocamos, como você diz em seu texto. Por isso, me senti a vontade para "provocar-te"!


Intelectuais e artistas se unem em ato pró-Dilma

Oscar Niemeyer, Chico Buarque e várias personalidades viveram um clima de volta ao passado, como na campanha de Lula em 1989


Luciana Nunes Leal e Marcelo Auler


Volta ao passado. Personalidades da música, da política, atores e intelectuais se encontraram no Teatro Casa Grande para dar apoio a candidata petista à Presidência da República como foi feito na campanha de Lula

RIO - Com a rara presença do cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda, que só perdeu em aplausos para o arquiteto Oscar Niemeyer, mais de mil artistas, intelectuais e militantes reuniram-se ontem em um ato em apoio à candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, no Teatro Casa Grande, tradicional ponto de encontro e espetáculos da esquerda carioca, na zona sul do Rio. Os manifestantes entregaram à Dilma um documento com mais de 10 mil assinaturas, muitas delas de eleitores de Marina Silva (PV) e Plínio de Arruda Sampaio (PSOL), no primeiro turno.

Chico Buarque fez um rápido pronunciamento com elogios à Dilma e ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Essa mulher de fibra, que já passou por tudo, não tem medo de nada. Vai herdar o senso de justiça social, um marco do governo Lula, um governo que não corteja os poderosos de sempre, não despreza os sem-terra, os professores, garis. Um governo que fala de igual para igual com todos, que não fala fino com Washington, nem fala grosso com a Bolívia e o Paraguai", disse Chico, muito aplaudido pela plateia. Antes de falar, Chico mostrou-se surpreso: "Pensei que fosse ficar apenas como papagaio de pirata do Boff", brincou.


A presença de Niemeyer, de 102 anos, que chegou em cadeira de rodas e ficou durante todo o ato público no palco, foi saudada, entre muitos outros, pelo teólogo Leonardo Boff: "Hoje pela manhã eu pedi um sinal a Deus. Se Oscar Niemeyer for ao encontro será um sinal infalível que a vitória está garantida", contou. Neste momento, o arquiteto foi ovacionado pela plateia que gritava seu nome. Boff, citou a solidariedade como uma marca do governo Lula que será mantida por Dilma Rousseff, se for eleita.

O teólogo também fez uma referência indireta à onda de informações sobre um suposto apoio de Dilma à legalização do aborto e rejeição à união civil de homossexuais. "Se com Lula a esperança venceu o medo, com Dilma a verdade vai vencer a mentira", afirmou Boff. Em referência ao candidato do PSDB José Serra, Boff afirmou que "o projeto que se articula com a privatização e com os negócios encurta a população brasileira e não podemos permitir que ele volte".

Entre os artistas presentes estavam as cantoras Alcione e Beth Carvalho, os atores Osmar Prado e Paulo Betti, os diretores José Celso Martinez Corrêa e Ruy Guerra e os escritores Fernando Morais e Eric Nepomuceno. Foram também à manifestação, os ex-ministros Márcio Thomaz Bastos, Humberto Costa, Edson Santos e os atuais José Gomes Temporão, Nilcéa Freira e Juca Ferreira.

No Teatro Casa Grande, os manifestantes viveram um clima de volta ao passado, relembrando grandes encontros de artistas em torno do petista Luiz Inácio Lula da Silva, ocorrido nas campanhas desde 1989 até a vitória em 2002. Dilma foi aclamada com adaptações de velhos jingles como "Olê, olê, olá, Dilma, Dilma".

Em seu discurso, Dilma procurou marcar as diferenças de sua candidatura e a de Serra: "Nós não achamos que crescimento social é uma alegoria de mão ou um anexo. É isso que nos distingue radicalmente dos nossos adversários", afirmou. Dilma insistiu no discurso de que os tucanos retomariam o processo de privatização se voltassem ao poder. "O que está em questão nessa eleição é o que eles farão com o pré-sal e também com a Petrobrás. A Petrobrás (no governo Fernando Henrique Cardoso) era para ser partida, esquartejada e ter suas partes vendidas", disse.

A candidata exaltou como característica do povo "a capacidade de conviver com a diversidade religiosa e racial". "Não somos um país que desfila ódio", discursou Dilma. A candidata disse que 28 milhões de pessoas saíram da pobreza no governo Lula. "Não é um dado que pode ser alvo de disputa eleitoral".

Além do manifesto de artistas e intelectuais, a petista Dilma Rousseff recebeu outros dois documentos de apoio à sua candidatura - um organizado por advogados e outro por religiosos.


http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,intelectuais-e-artistas-se-unem-em-atoprodilma,626552,0.htm


Afamados artistas e intelectuais brasileiros, como Oscar Niemeyer, Chico Buarque, Beth Carvalho e Leonardo Boff, expressaram aqui seu apoio à candidata à presidência pelo governante Partido dos Trabalhadores (PT), Dilma Rousseff.
Cerca de mil pessoas lotaram ontem o Teatro Casa Grande, do bairro de Leblon, na zona sul desta cidade, bem como a parte externa do local, de onde presenciaram o ocorrido no interior da sala através de uma grande tela. Na atividade entregaram a Rousseff o "Manifesto de artistas e intelectuais pró Dilma", com mais de 10 mil assinaturas.

"As canções que ouvi e os livros que li estão aqui com todos estes cantores e artistas", assegurou Rousseff, que defendeu os investimentos governamentais em cultura, porque -sentenciou- "não existem formas de dar qualidade ao processo sem valorizar as pessoas que fazem parte do mesmo".
Mais adiante afirmou que era a soma de gerações que vêm sonhando o Brasil, como Oscar Niemeyer, desde décadas mais antigas e afirmou que ela começou nos anos 60, com a segurança que o país tinha que mudar, não podia ser de extrema desigualdade.
Em 50 minutos a aspirante petista fez uma ampla comparação dos governos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do dignatário Luiz Inácio Lula da Silva, bem como de seu compromisso -se chegar à primeira magistratura- de continuar o caminho iniciado por seu antecessor neste imenso país sul-americano.

Sobre a responsabilidade que terá em caso de ser eleita no segundo turno das eleições gerais, fixada para o próximo dia 31, Rousseff sustentou que "ninguém respeita a quem deixa uma parte de seu povo na miséria. Sei o tamanho do peso que carrego. Sei que agora é minha vez e vou honrar essa missão".

Antes da candidata presidencial do PT, o cantor Chico Buarque destacou seu respaldo ao governo, em particular a sua política externa, ao afirmar que "temos um governo que não fala suave com Washington nem fala duro com a Bolívia ou o Paraguai", de acordo com uma informação da estatal Agência Brasil.

De sua parte, Leonardo Boff, que falou antes de Rousseff, exaltou que "se a esperança com Lula venceu o medo, agora a verdade vai vencer a mentira", ao prognosticar um triunfo da aspirante petista frente a José Serra, candidato pelo opositor Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

Do ato participaram também personalidades relevantes como Alcione, Fernando Morais, Wagner Tiso, Alceu Valença, Marilena Chauí, Emir Sader, Amir Hadad, Débora Colker, José Celso Martinez, Yamandu Costa, Diogo Nogueira, Elba Ramalho, Lia de Itamaracá, Margareth Menezes, Rosemary e Paulo Betti, entre muitos outros.


No Manifesto os firmantes sustentam que no primeiro turno das eleições gerais do passado dia 3 eles votaram por diferentes candidatos e por diferentes partidos políticos, mas agora se unem para apoiar Rousseff.

Fazem isso -destacam- ao sentir que é seu dever somar forças para garantir os avanços atingidos e prosseguir juntos na construção de um país capaz de um crescimento econômico que signifique desenvolvimento para todos.

"Entendemos que bem mais que uma candidatura, o que está em jogo é o que foi conquistado. Por tudo isso, declaramos em conjunto o apoio à Dilma Rousseff. É hora de unir nossas forças no segundo turno para garantir as conquistas e continuar na direção de uma sociedade justa, solidária e soberana", destacam.

http://www.prensalatina.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=230169&Itemid=1


NÃO SOU INTELECTUAL, MAS JÁ ME ESPELHO NELES PARA SER ASSIM QUANDO CRESCER!!


Leonardo Boff

Chico Buarque de Holanda

Oscar Niemeyer

Aderbal Freire Filho – diretor de teatro

Alcides Nogueira - dramaturgo e roteirista

Alcione – cantora

Aldir Blanc – compositor e escritor

Álvaro Caldas - jornalista

André Klotzel - cineasta

André Luiz Oliveira – cineasta

Anne Pinheiro Guimarães - cineasta

Antonio Grassi - ator

Argemiro Ferreira – jornalista

Ariano Suassuna - dramaturgo

Armando Freitas Filho - poeta

Beth Carvalho - cantora

Beth Formaggini - cineasta

Carlos Augusto Brandão - crítico de cinema

Celso Frateschi – ator e diretor

Chico Cesar – cantor e compositor

Chico Diaz – ator

Claudia Furiati - historiadora e escritora

Cláudio Baltar - diretor

Cristina Buarque de Hollanda - cantora

Daniel Sroulevich - produtor cultural

Daniel Souza - designer e empresário

Dau Bastos

Débora Duboc - atriz

Dira Paes - atriz

Domingos de Oliveira – diretor teatral, cineasta

Edgar Vasques - cartunista

Ednardo – cantor

Eduardo A. Russo - crítico de cinema

Eduardo Figueiredo - produtor teatral

Eric Nepomuceno – jornalista e escritor

Eryk Rocha - cineasta

Felipe Radicetti - compositor

Geraldo Moraes - cineasta

Geraldo Sarno – cineasta

Helena Sroulevich – produtora cultural

Helvécio Ratton - cineasta

Hermano Figueiredo - cineasta e cineclubista

Hugo Carvana – ator e cineasta

Janaina Diniz - cineasta

Jesus Chediak – cineasta e produtor cultural

João Bosco – cantor e compositor

João Carlos Couto - dramaturgo e produtor teatral

Joel Pizzini - cineasta

Jorge Furtado - cineasta

José Joffily – cineasta

José Roberto Filippelli

Karen Acioly – diretora teatral

Leopoldo Nunes - cineasta e agente cultural

Lucélia Santos - atriz

Lucia Murat – cineasta

Lúcia Rocha - curadora do Tempo Glauber

Lucília Garcez - escritora

Lucy Barreto - produtora

Luiz Antonio de Assis Brasil - escritor

Luiz Carlos Barreto - produtor

Luiz F. Taranto - jornalista e cineasta

Luiz Fernando Lobo - diretor artístico e ator

Manfredo Caldas - cineasta

Marcelo Laffitte - cineasta

Marcos Souza – músico e jornalista

Mariana Lima - atriz

Marieta Severo - atriz

Marília Alvim - cineasta

Marilena Chauí - filósofa, escritora e profª da USP

Mario Prata - escritor e dramaturgo

Marquinhos de Oswaldo Cruz

Maurice Capovilla – cineasta

Maurício Machado - ator

Miguel Paiva – escritor e humorista

Miúcha - cantora

Monarco - compositor

Monique Gardenberg - cineasta e diretora de teatro

Murilo Salles - cineasta

Nelson Sargento - compositor

Nei Lopes – compositor e escritor

Noilton Nunes - cineasta

Orã Figueiredo – ator

Otto - cantor e compositor

Paloma Rocha - cineasta

Paula Gaitán - cineasta e artista plástica

Paulo Betti - ator

Paulo Halm – roteirista e cineasta

Pedro Cardoso - ator

Raquel Karro – atriz

Ricardo Cota - Secretário de Comunicação do Governo do RJ

Ricardo Cravo Albin – jornalista, historiador e pesquisador da MPB

Ricardo Gontijo – jornalista

Roberto Berliner - cineasta

Roberto Gervitz - cineasta

Roberval Duarte - cineasta e produtor cultural

Rodrigo Targino - cineasta

Rogério Correa - cineasta

Rosa d`Aguiar Furtado – jornalista, tradutora (viúva de Celso Furtado)

Rosemary – cantora

Rosemberg Cariry - cineasta

Rubens Rewald

Ruy Guerra - cineasta

Sandra Werneck - cineasta

Sara Rocha - produtora de cinema

Sérgio Sá Leitão - cineasta e administrador público

Silvia Buarque de Hollanda - atriz

Silviano Santiago – escritor

Sylvia Moreira - arquiteta, cenógrafa

Tata Amaral - cineasta

Tia Surica -sambista

Toni Venturi - cineasta

Tuca Moraes – atriz e produtura

Vania Cattani - cineasta

Vicente Amorim - cineasta

Vinícius Reis - cineasta

Vladimir Carvalho – cineasta

Wagner Tiso - músico

Walter Carvalho - cineasta

Walter Lima Júnior - cineasta

Wolney Oliveira – cineasta

Ziraldo – desenhista, escritor, pintor

Frei Betto

Emir Sader

Álvaro Caldas - jornalista

Ricardo Gontijo – jornalista

Regina Zappa – jornalista e escritora

Padre Ricardo Rezende

Paulo Sergio Niemeyer

Vera Niemeyer

Tulio Mariante - designer (e CENTENAS DE OUTROS NOMES RELEVANTES, DE FATO!)


SÓ FALTA VOCÊ!!!VEM PRÁ CÁ!!!


Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails