"Acreditando na magia que existe na educação! Buscando ser a mudança que quero ver no mundo"!
CONTATOS: sunamitamagalialbuquerque@hotmail.com /sunamitanativaoliveira@gmail.com

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

DES-SERVIÇO ÀS CULTURAS INDÍGENAS BRASILEIRAS


PREFEITURA DE CHÃ-GRANDE, ATRAVÉS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, REALIZA UMA (DE)FORMAÇÃO SOBRE CULTURAS INDÍGENAS PARA PROFESSORES: DESINFORMAÇÃO, DESQUALIFICAÇÃO DOS FORMADORES E MATERIAL INADEQUADO PARA POSSIVELMENTE, TENTAR  ENGANAR O MINISTÉRIO PÚBLICO, QUE COBRA EXECUÇÃO DA LEI 11.654/08

Esta semana, Chã-Grande mais uma vez se tornou notícia, e não pelos feitos do excelentíssimo prefeito Diogo Alexandre, mas por uma formação continuada realizada pela secretaria de educação para os professores, com intuito de repassar-lhes o texto vigente na Lei 11.645/08, que tornou obrigatório o estudo e ensino acerca das Culturas Indígenas Brasileiras, além da afrobrasileira, lei esta, existente desde 2003.
O problema é que, para dar uma satisfação ao MP e ao MEC, que já começaram a enviar cobranças para as prefeituras cumprirem a lei, as chamadas formações estão sendo realizadas por pessoas sem qualificação alguma para tal.
O relato que recebemos de diversos professores de Chã-Grande, é que escutaram os formadores dizendo as seguintes frases:
- " Olha gente, vocês sabiam que já tem índio doutor"? (O espanto se dá exatamente pelo que? Surpresa é que constatamos uma criança com deficiência mental conseguir chegar na faculdade, e não por preconceito, mas por conhecermos suas dificuldades e limitações, o que não se aplica aos indígenas. O correto seria: dos mais de 300 mil indígenas brasilerios vivendo em aldeias, temos o regristro de apenas 3 índígenas doutores!)
- No dia do índio, vocês devem pegar um coco e usar a casca para formar a casa do índio, com as crianças. ( Dos mais de 200 povos indígenas brasileiros, cada povo tem uma forma diferente de construir suas casas, inclusive dando nomes diferentes. Esse modelo que era usado no século XIX não cabe mais hoje. Basta buscar na internet, em sites idôneos e nos livros de Daniel Munduruku, por exemplo, além de Orlando Villas Boas, Darcy Ribeiro).
- Vocês gostam de tapioca, farinha? Agradeçam aos índios. Quem gosta de frevo? Foram os índios que inventaram (!!!). (Não precisa nem comentar!)

O livro que será distribuido para os alunos trás o nome do povo XUKURU escrito assim: xurukuku. Todo livro precisa ser revisado antes de seguir para impressão. É inaceitável, inadmissível perpetuar esteriótipos, ignorância e preconceito contra os indígenas brasileiros.

Há propósito: 1. ÍNDIO É UM NOME GENÉRICO, DADO PELOS PORTUGUESES EM 1500, AOS NATIVOS QUE AQUI ENCONTRARAM. NÃO TEM TRADUÇÃO, NEM SIGNIFICADO.
OS POVOS NATIVOS, DEVEM SER NOMEADOS OU DENOMINADOS COMO INDÍGENAS, QUE SIGNIFICA NATIVO, E PRINCIPALMENTE, PELOS NOMES COM OS QUAIS SÃO MAIS CONHECIDOS: OS GUARANI, OS XUKURU DO ORORUBÁ, OS MAKUXI, OS YANOMAMI...

2. POVO, NAÇÃO OU ETNIA SÃO PALAVRAS MAIS ADEQUADAS DO QUE TRIBO. ISSO PORQUE ELAS EXPRESSAM MELHOR A DIVERSIDADE ÉTNICA, CULTURAL, SOCIAL E LINGUISTICA DOS NATIVOS BRASILEIROS.

Estamos à disposição para quaisquer esclarecimentos!!!

______________________________
Nota da editora:

Esperamos que, além de reparar estes terríveis erros, o exemplo de Chã-Grande não seja copiado por outros municípios, incluindo Gravatá.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails