"Acreditando na magia que existe na educação! Buscando ser a mudança que quero ver no mundo"!
CONTATOS: sunamitamagalialbuquerque@hotmail.com /sunamitanativaoliveira@gmail.com

sexta-feira, 15 de abril de 2011

VIDAS AMEAÇADAS!


Imagem: Google - Festa que relembra o contato com os "brancos"

JIAHUI



  • Onde estão: Amazonas
  • Quantos são: 97 (Funasa, 2010)
  • Família linguística : Tupi-Guarani

Os Jiahui somavam 17 pessoas na aldeia Ju’i em 2002, além de vários indivíduos localizados em outras terras indígenas e em localidades próximas. Somando-se a população habitante da aldeia Ju’i aos indivíduos que viviam junto aos Tenharim e em Humaitá e Porto Velho, tinha-se uma população total aproximada de 50 indivíduos.
A junção de todas as atividades econômicas Jiahui, assim como dos Kagwahiva em geral, dá-se através de uma festa, central na cultura nativa. Todo ano, na época de início do plantio, os Kagwahiva preparam uma grande festa denominada Mboatava, nome advindo da palavra castanha. O prato principal servido no ritual é a carne de anta ou taiaho (queixada) cozida no leite de castanha.

Esta festa, cada vez mais, tem se tornado o pólo catalisador dos grupos falantes da mesma língua, constituindo um referencial identitário e político para os Kagwahiva em geral. Nos últimos anos, o ritual tem sido realizado nas aldeias Tenharim e, além de aglutinar todos os Kagwahiva, têm atraído administradores regionais da Funai, missionários, representantes do poder público local e ONGs. Com a constituição da aldeia Ju’i e com a definição dos limites territoriais, os Jiahui estão fortemente propensos a realizar um Mboatava próprio. Segundo os jiahui Irá e Ñagwea’i, a festa realizada pelos Jiahui era semelhante à realizada pelos Tenharim, mas tinha algumas particularidades.

Fonte:
www.pib/socioambiental.com.br
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails